7 exercícios para normalizar os movimentos da sua mão

7 exercícios para normalizar os movimentos da sua mão

7 exercícios para normalizar os movimentos da sua mão

As ações do dia a dia podem causar problemas nas articulações do corpo, em especial das mãos, por conta do alto uso de celulares e computadores. Felizmente, de modo a evitar problemas mais graves, existem exercícios para mão que você pode fazer em casa para se recuperar.

Todo mundo usa as mãos continuamente para realizar as tarefas do dia a dia. O problema começa quando as ações feitas são muito repetitivas ou feitas de forma inadequada, forçando a musculatura.

Quem não toma cuidado com isso pode desenvolver uma série de problemas e ter os movimentos da mão prejudicados.

Acompanhe o texto que vem a seguir para entender o que pode causar a perda do movimento das mãos e quais são os exercícios recomendados por especialistas nesses casos.

O que pode causar perda do movimento das mãos?

A perda do movimento das mãos é um sintoma comum de várias doenças, desde a tendinite relacionada à calibração de manômetros, até síndromes mais graves, como a síndrome do túnel do carpo.

Nós separamos abaixo as principais causas possíveis de problemas na mobilidade e inflamações das mãos, confira.

  1. Tendinite

É uma inflamação que causa dor e inchaço nos tendões. Ela pode acontecer em qualquer parte do corpo. Contudo, é mais comum nos joelhos, ombros, punhos e cotovelos devido ao uso e movimentações.

Os sintomas principais são dor, dificuldade em fazer movimentos comuns, inchaço e vermelhidão na área afetada. Existem diversas causas possíveis para a tendinite, como:

  • Falta de alongamento;
  • Carregar peso em excesso;
  • Estresse;
  • Atividades esportivas feitas de forma inadequada.

Ou seja, você pode contrair tendinite tanto enquanto trabalha na empresa fabricante de munheca para reboque quanto na hora do lazer se os movimentos não forem feitos adequadamente e pausas não forem realizadas.

O tratamento inclui remédios anti-inflamatórios, sessões de fisioterapia e repouso, entre outras medidas.

  1. Artrite reumatoide

As doenças autoimunes são aquelas em que o sistema imunológico do corpo atacam as células saudáveis.

Os exemplos mais comuns são artrite reumatóide, doença celíaca, esclerose múltipla e diabetes tipo 1.

A artrite reumatóide se caracteriza pelo ataque às articulações dos membros, o que pode limitar os movimentos do corpo.

Essa é uma doença ainda sem cura, mas os tratamentos disponíveis são suficientes para que o paciente leve uma vida normal e incluem desde práticas de fisioterapia e alongamento até uso de anti-inflamatórios e realização de cirurgias.

  1. Tremor essencial

É um distúrbio do sistema nervoso que ocasiona agitação rítmica dos membros. Geralmente afeta as mãos, mas também pode afetar pernas, braços, cabeça e voz.

A maior parte das pessoas consegue conviver com o tremor essencial sem grandes problemas.

No entanto, esse distúrbio pode atrapalhar a realização de atividades manuais, como escovar os dentes ou se vestir.

A causa do tremor essencial não é conhecida, mas os sintomas podem se agravar se a pessoa tem altos níveis de fadiga e estresse.

Se o tremor é incapacitante, fisioterapeutas podem receitar medicamentos. Cirurgias também são uma possibilidade.

  1. Neuropatia periférica

Afeta os nervos periféricos, que são responsáveis pela transmissão de informações do cérebro e da medula espinhal para o resto do corpo.

É mais frequente em pessoas com mais de 40 anos de idade e existem mais de 90 causas possíveis, entre elas destacamos:

  • Diabetes;
  • Consumo excessivo de álcool;
  • Falta de vitaminas;
  • Infecções virais e bacterianas.

A neuropatia periférica também não tem cura e o tratamento depende da causa. 

Deste modo, o tratamento adequado da diabetes, a interrupção do consumo de álcool, a reposição de vitaminas e o controle de infecções são suficientes para minimizar a neuropatia.

É importante destacar que os desconfortos comuns à essa doença podem ser frequentes ou inconstantes.

Em todo caso, fique atento à dormência e formigamento, dor, queimação e fraqueza muscular no dia a dia, desde as tarefas cotidianas em casa ou no serviço.

  1. Síndrome do túnel do carpo

É caracterizada pela compressão do nervo mediano, que controla a sensibilidade da palma e dos dedos da mão, além de mandar impulsos para os músculos do polegar.

A síndrome do túnel do carpo é causada, em geral, pela dobragem excessiva do punho por muito tempo.

Entre os sintomas da síndrome, destacam-se formigamento noturno, dor, sensação de peso no antebraço e falta de sensibilidade na ponta dos dedos.

Se o caso é mais grave, é possível que aconteça atrofia do músculo da base do polegar, o que impossibilita a manipulação de produtos profissionais para salão de beleza, por exemplo.

O tratamento inclui a imobilização do punho com o uso da tala, fisioterapia para diminuição da dor na região, correção da postura, alongamento e fortalecimento muscular.

  1. Fraturas

É mais comum que esportistas fraturem a mão, o punho ou os dedos. No entanto, também é possível fraturar esses membros em acidentes do dia a dia.

Normalmente a fratura causa alteração de cor, inchaço e dor na área atingida. Deformidade, estalos, dormência e incapacidade de movimentar o membro são outros sintomas recorrentes.

O mais recomendável é fazer um raio-X para confirmar a existência de fratura. Se confirmada, será preciso imobilizar a região afetada para não piorar o quadro.

Os médicos costumam receitar alguns medicamentos para amenizar a dor, além de fisioterapia para que os movimentos sejam devidamente recuperados.

  1. Gota

É caracterizada pelo acúmulo de ácido úrico no sangue, que acarreta inchaço e dificuldade de movimentar plenamente a articulação afetada.

Geralmente é mais verificada nas articulações dos pés. No entanto, também pode surgir nas mãos e provocar inchaço e dor nos dedos.

A gota é diagnosticada por meio de exames de laboratório para verificar os níveis de ácido úrico no sangue e na urina.

O tratamento mais comum é feito com base em medicamentos para diminuir a dor e a inflamação.

7 exercícios para recuperar as mãos.

A recuperação dos movimentos normais das mãos depende do acompanhamento contínuo de um fisioterapeuta e da realização de certos exercícios recomendados pelos profissionais. 

Contudo, há algumas práticas mais comuns que podem ser realizadas com cautela e o ideal é tentar fazê-los e, se sentir muita dor ou impossibilidade de completá-los, procurar por um médico especializado para o acompanhamento das atividades.

Além disso, os exercícios listados a seguir devem ser feitos lentamente e com repetições.

  1. Extensão e flexão de punho

Ponha o seu antebraço sobre uma mesa, embaixo de uma toalha, e deixe a mão pendurada na borda do móvel com a palma voltada para baixo.

Mexa a mão para cima até sentir um leve alongamento. Então, volte para a primeira posição.

Repita esse movimento mantendo o cotovelo virado para o seu lado, com a palma da mão virada para cima.

  1. Supinação de pulso

Você pode fazer esse exercício sentado ou em pé. Mantenha o seu braço ao lado do corpo com o cotovelo dobrado em um ângulo de 90 graus e com a palma da mão virada para baixo.

Então, mova o antebraço para deixar a palma da mão virada para cima e depois para baixo de novo.

  1. Desvio radial

Apoie o seu antebraço em uma mesa com uma toalha. Mantenha o polegar para cima. Então, mexa o punho para cima e para baixo com a máxima amplitude de movimento que conseguir.

Esse exercício também é chamado de ulnar do punho e é muito indicado para restabelecer os movimentos do punho que possam ter sido prejudicados durante uma vistoria técnica corpo de bombeiros, para citar um exemplo do cotidiano.

  1. Flexão do polegar

Esse é um dos exercícios mais fáceis da lista. Basta deixar o polegar posicionado para fora da mão e movê-lo até a palma.

Repita esse mesmo movimento dez vezes, três vezes por dia.

  1. Deslize do tendão da mão

Deixe a mão completamente aberta. Depois, faça um movimento de ganho com o punho. Abra totalmente a mão de novo. Agora, contraia os dedos sem fechar a mão totalmente.

Então, retorne à primeira posição e feche a mão completamente.

  1. Bola anti stress

Como você já deve ter percebido, o estresse pode ser um fator determinante para uma série de problemas nas articulações.

Por isso, uma outra opção é recorrer à compra de uma bola anti stress ou uma bola de tênis e apertar com a mão inteira de 5 a 10 vezes.

Repita esse movimento usando só o polegar e o dedo indicador e, posteriormente, faça isso com o restante dos dedos. Para finalizar, troque de mão e repita a mesma sequência.

  1. Posição da prece

Coloque suas mãos em posição de prece no centro do peito. Empurre uma em direção a outra com suavidade.

Esse alongamento é útil para alongar os dedos e os punhos de uma vez só. Para que o exercício tenha o resultado esperado, mantenha os ombros relaxados e os antebraços retos.

Conclusão

O cuidado com as articulações das mãos, braços, pernas e pés tem que ser contínuo. O dia a dia profissional pode ser altamente estressante, mas o profissional  não pode deixar de se cuidar.

Fique atento aos sintomas que foram descritos neste texto para não desenvolver casos graves ligados à perda da coordenação motora e, caso qualquer incômodo seja percebido, recorra ao acompanhamento profissional o mais rápido possível para diagnosticar melhor o quadro e ter o tratamento mais adequado.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *